BLOG GERANDO DEMANDA
31jan/140

13 coisas que um lider nao deve fazer

lider

Ao se inspirar em um líder, você provavelmente se pergunta sobre o que ele pensa, como funciona sua cabeça. Mas esta não é necessariamente a pergunta mais completa. “Quais as coisas que um líder não deve fazer?” pode ser mais instigante. Talvez as frustrações evitadas por líderes os levem a caminhos mais claros e menos estressantes e, portanto, mais férteis. Amy Amorim, psicoterapeuta e docente de psicologia, listou 13 coisas que pessoas mentalmente fortes evitam - e elas se encaixam no perfil dos líderes que buscamos para o futuro.

A lista é tão importante que Cheryl Conner, colaboradora da Forbes, postou na íntegra em seu blog. Preste atenção a estes comportamentos e avalie se você não está se sabotando diariamente com pensamentos negativos que te privam do sucesso e podam atitudes inovadoras.

Um líder:

1. Não perde tempo sentindo pena de si mesmo
Mas assume a responsabilidade de seu papel e entende que a vida nem sempre é fácil ou justa.

2. Não transfere seu poder para os outros
Um líder não permite que outros usem seu pode em seu lugar. E não diz coisas como “meu chefe me fez sentir mal” porque ele sabe que está no controle de suas emoções e pode escolher como responder a situações de estresse.

3. Não se priva de mudanças
Líderes não temem mudanças, pelo contrário, são flexíveis e ávidos por mudanças positivas.

4. Não perde energia em coisas que não pode controlar
Você não vê pessoas mentalmente fortes reclamando da mala perdida ou do trânsito. Elas focam no que elas podem controlar, e sabem que, algumas vezes, a única coisa que podem controlar é sua própria atitude.

5. Não se preocupa em ser amável com todos
Líderes não têm medo de dizer não ou discutir quando necessário. Eles desejam ser gentis e justos, mas podem conviver com o fato de que não agradarão sempre.

6. Não tem medo de correr riscos calculados
Eles não correm riscos imprudentes, mas não se importam de correr riscos calculados – e perdem bastante tempo pesando os riscos e os benefícios antes de tomar uma grande decisão.

7. Não se debruça sobre o passado
Pessoas fortes não perdem tempo desejando que as coisas fossem diferentes. Elas reconhecem seu passado e dizem o que aprederam com ele, mas não fantasiam com dias gloriosos. Vivem o presente e planejam o futuro.

8. Não repete erros
Além de aceitar a responsabilidade sobre seu comportamento, líderes aprendem com erros do passado – o que evita repeti-los.

9. Não se ressente do sucesso alheio
Inveja é algo que não passa na cabeça de líderes. Eles gostam e celebram o sucessos dos outros, e sabem que terão de trabalhar duro para ter sua própria oportunidade.

10. Não desiste depois do primeiro fracasso
Eles não veem o fracsso como uma razão para desistir, mas o usam como uma oportunidade de crescer e se aperfeiçoar.

11. Não tem medo de ficar sozinho
Líderes toleram ficar sós e não têm medo do silêncio – não são dependentes de companhia. Ficar sozinho com seus pensamentos aparentemente não é um problema – e usam esse tempo de forma produtiva.

12. Não acha que o mundo o deve alguma coisa
Pessoas fortes não nasceram com a mentalidade de que os outros devem cuidar delas ou que o mundo as deve alguma coisa. Em vez disso, veem as oportunidades com base em seus próprios méritos.

13. Não espera resultado imediato
Trabalhando ou investindo na saúde, nossos líderes do futuro não esperam resultados imediatos. Por outro lado, aplicam suas habilidades e tempo para entender que mudanças reais levam tempo.

Muito desta lista se resume ao tempo e energia que se perde com coisas que não se pode controlar, ou que devem ser encaradas como aprendizado, em vez de frustração. Com o Runrun.it, você automatiza a parte burocrática do trabalho (reuniões de acompanhamento, delegar tarefas, leitura de emails, compilar todos os materiais de um projeto), sobrando mais tempo para você resolver questões realmente importantes da empresa.

fonte : http://blog.runrun.it/13-coisas-que-um-lider-nao-deve-fazer/

30jan/140

Vender para Grandes Clientes

empresas grandes

Vender para grandes clientes tem várias vantagens como compras maiores, maior regularidade nos pedidos, adimplência e o fator social de servir a uma grande organização também é uma excelente ferramenta para o seu marketing, mas há alguns desafios que temos que enfrentar antes de conquistar um grande cliente e depois para manter este peixe grande satisfeito.

Prepare-se para uma jornada que não é de um dia, você irá a várias reuniões, falará com uma infinidade de pessoas, tomará chás de cadeira várias vezes… mas o resultado final geralmente é compensador.

Como chegar até eles.

Uma das maneiras mais fácies para vender para grandes clientes é conhecer alguém que já esteja dentro desta empresa, alguém que possa ajudar no processo de decisão, só que isso nem sempre é possível, então irei lhe passar um roteiro que eu sigo.

Momento 1: Ligação para a empresa.

O bom e velho telefone é muito mais prático do que o (nem tão) novo e-mail para apresentar a sua empresa neste momento.

Faça a ligação e informe-se sobre o departamento que quer falar, nome do responsável, ramal, e-mail, tudo que for possível para marcar uma reunião.

Momento 2: Ligação para quem decide.

Faça um script de agendamento de reunião e ligue para o responsável pelo departamento que você quer,  este não é o momento de você vender nada e sim de ter a oportunidade de apresentar a sua empresa para esta outra. A agenda do cliente é a prioridade, ele define o horário que poderá lhe atender.

Muitas vezes será lhe solicitado para enviar um e-mail com a apresentação, um e-mail que talvez seja lido, talvez não. Mande o e-mail e continue ligando até conseguir a reunião. Aqui vale ser persistente.

Antes da reunião, ligue e confirme, as vezes empresas grandes nos esquecem ou ocupam a agenda de quem iria nos atender, remarque então a visita.

Momento 3: A reunião.

Você deve ter tudo que precisa em um computador e as copias dos mesmos arquivos no tablet e no pen-drive. Não corra o risco de ser pego por algum problema técnico.

O seu objetivo é construir uma credibilidade de sua marca na apresentação, mostrar o por que você é melhor que outros maiores, por que é mais rápido, por que é mais confiável, por que seu valor está baixo em relação a tudo que oferece e por que é o parceiro ideal para aquela empresa. Se responder todas estas perguntas, você virá um parceiro de negócio.

Momento 4: Force os vínculos.

Ganhar um grande cliente pode ser difícil, perder pode ser fácil. Acompanhe por todo o momento toda e qualquer requisição deste cliente, se puder se antecipe a suas necessidades, afinal você saberá de quanto em quanto tempo eles solicitam algo. Não deixe eles te ligarem pedindo algo, ligue antes e ofereça.

Somente quando superarmos a expectativa de um grande cliente é que o grande cliente nos olha como grande parceiro, indiferente do nosso tamanho.

Fonte : http://blogdicasdevendas.com/vender-para-grandes-clientes/

Categorias: Vendas Sem Comentários
29jan/140

10 coisas cientificamente comprovadas que deixam voce feliz

feliz

Por 

Como diria a música da propaganda: o que faz você feliz? Viajar? Rever os amigos? Diz uma pesquisa britânica que são as coisas simples da vida. Simples, mas sempre ligadas ao dinheiro.

E pra saber quais são essas “coisas”, os pesquisadores entrevistaram 2 mil adultos do Reino Unido. Cada um deles recebeu uma lista de bons acontecimentos e precisou colocar, em ordem de importância, quais eram as mais felizes, aquelas que realmente eram capazes de deixá-los de bom humor. Dá uma olhada nas 10 situações mais votadas:

1. Descobrir 50 reais esquecido no bolso de um casaco – com 59% dos votos
2. Ganhar uma competição que você nem lembrava mais que tinha entrado (tipo um bolão) – 46%
3. Receber um reembolso ou desconto que você nem sabia existir – 41%
4. Economizar dinheiro nas contas de casa – 31%
5. Encontrar um bilhete de loteria premiado de 30 reais – 28%
6. Ir até a loja comprar um produto e descobrir que o preço caiu – 26%
7. Emagrecer 200 gramas – 18% (sério, gente? São só 200 gramas…)
8. Encontrar dinheiro num caixa automático – 13%
9. Não acordar com ressaca depois de encher a cara na noite anterior – 5%
10. Encontrar um assento no trem no caminho para o trabalho – 3% (se for às 8h ou às 18h, em SP, é pra ficar de bom humor mesmo)

Só que as pessoas ficam tão felizes com o dinheiro inesperado que nem ligam se não for delas. Na segunda parte do estudo, os pesquisadores fizeram uma parceria com uma lavanderia. Pediram aos funcionários que entregassem 50 reais aos clientes que supostamente haviam encontrado no bolso do paletó. Era mentira, claro, mas ninguém devolveu a nota.

De qualquer forma, o segredo da felicidade é ter surpresas positivas. Mas essa lista é dos ingleses – e, provavelmente, os pesquisadores não deram a eles outras opções. Então conta pra gente: o que mais te deixa feliz, que muda seu humor de uma hora para outra?
(Via Daily Mail)

fonte : http://super.abril.com.br/blogs/cienciamaluca/10-coisas-cientificamente-comprovadas-que-deixam-voce-feliz/

 

27jan/140

Profissional especialista: e possivel ter sucesso sem ser lider

sucesso

Muitos profissionais ainda acreditam que o crescimento na carreira está diretamente ligado à promoção para cargos de liderança, e que esta é uma trajetória quase que obrigatória no meio corporativo. Porém, as posições com função técnica são cada vez mais valorizadas pelas organizações, e fazem com que os profissionais que busquem especialização, muitas vezes, sejam melhor remunerados do que gestores.

O aumento da busca por profissionais com formação técnica está relacionado às necessidades do mercado de trabalho por mão de obra qualificada. É possível perceber uma demanda por profissionais com formação técnica em diversas áreas, entre elas: Tecnologia da Informação, Indústria em geral, Construção Civil e Meio Ambiente. Em todas estas áreas, as necessidades estão voltadas para pessoas que tenham visão prática e capacidade de se atualizar com rapidez.

“O que faz girar o negócio de uma empresa, em sua essência, é a parte técnica. As organizações começaram a valorizar cada vez mais os especialistas, pois são profissionais que detém bastante conhecimento e, muitas vezes, são escassos no mercado de trabalho”, relata Marcelo Cardoso, diretor da RM1, empresa especializada em treinamentos e coaching.

Segundo Cardoso, o profissional técnico tem que gostar do que faz, e precisa constantemente buscar atualizações com cursos, leituras e treinamentos. “Com o mercado competitivo, entregar o ‘algo a mais’ faz a diferença”, indica.

Diferenças entre especialistas e gestores

Há algum tempo, a sucessão natural de um profissional técnico nas empresas era um cargo de gestão. Porém, não demorou muito para que perceberem que nem sempre um ótimo especialista é um bom líder, cargo que depende muita mais de um perfil que saiba planejar, gerir processos e lidar com pessoas.
“Enquanto um gestor é alguém mais generalista, que pode transitar por diversas áreas de atuação sem grandes impactos, o técnico é muito mais focado em uma atividade específica, portanto, deve se tornar uma referência no que faz”, comenta Alexandre Rangel, sócio-fundador da Alliance Coaching.

Mas, e quanto um plano de carreira? Para Rangel, ao aceitar uma proposta de emprego, o especialista deve avaliar se a empresa oferece uma trajetória também nesta função técnica. “Organizações bem estruturadas tem planos e cargos e salários que conduzem este profissional para novos patamares na carreira, sem necessariamente se tornar um gestor”, diz.

Dicas adicionais

Apesar de ser uma função mais voltada à prática e ao operacional, o relacionamento para um especialista se tornou algum muito importante nos dias de hoje – atos simples como trocar mais ideias com os colegas de trabalho no dia a dia fazem a diferença.
O sucesso na carreira está ligado à escolha e dedicação profissional. É preciso ficar atento às tendências do mercado, buscar uma formação adequada e se dedicar muito para obter o sucesso almejado.
“Um consultor, um advogado ou até mesmo um médico, por exemplo, quanto mais especialização tiverem, mais serão valorizados e, consequentemente, serão mais requisitados”, completa Rangel.

Fonte: Profissional especialista: é possível ter sucesso sem ser líder | Portal Carreira & Sucesso

24jan/140

4 PASSOS PARA SUPERAR A INSEGURANCA E A DESMOTIVACAO

insegurança

Hoje pela manhã eu não tive vontade de fazer coisa alguma. Isso é uma combinação do cansaço de alguns dias de trabalho pesado com a falta de sono da noite passada. Não consegui me motivar a fazer nada importante esta manhã, o que é raro para mim. E, no geral, me senti mal. Comecei a duvidar de mim mesmo e questionar se algo do que eu faço realmente vale a pena.

Eu me sentei e comecei a me perguntar como eu poderia sair disso. Eu deveria apenas esquecer tudo sobre hoje? Deveria apenas desistir do que eu faço, porque não sou bom como eu pensava que era?

Isso era o que eu definitivamente estava considerando. Mas eu sabia que essa suave depressão era temporária, e então pensei em possíveis soluções. Então, algumas delas realmente funcionaram – pequenos truques para a mente que podem ter verdadeiros efeitos na realidade.

Aqui está o que fiz e que funcionou, na esperança de que isso talvez ajude você se essas sensações aparecerem.

1. Parei de ser tão egoísta

Acho que todos nós temos a tendência de nos colocarmos no centro do universo e ver tudo através do ponto de vista de como algo nos afeta. Mas isso pode ter todos os tipos de efeitos, desde sentir pena de nós mesmos quando as coisas não estão acontecendo exatamente como nós gostaríamos, até duvidar de nós mesmos quando não somos perfeitos. Então, em vez de se preocupar tanto comigo, pensei nas outras pessoas que eu poderia ajudar.

Encontrar pequenas formas de ajudar outras pessoas me faz parar de ter pensamentos egocêntricos e então eu não fico me afogando em pensamentos de auto piedade – estou pensando no que os outros precisam. Não estou duvidando de mim, porque o fato de eu ser bom o suficiente (ou não) não é mais o problema central. A questão central agora é o que os outros necessitam. Então, pensar nos outros em vez de em mim soluciona a minha insegurança e auto-piedade.

2. Abandonei minha identidade

Todos nós temos essa imagem, essa ideia do tipo de pessoa que somos. Quando essa ideia é ameaçada, podemos reagir de forma muito defensiva. As pessoas podem questionar se fizemos um bom trabalho, e isso ameaça nossa ideia de competente e então podemos ficar bravos ou magoados com as críticas. Alguém pode acusar você de mentir e isso ameaça a ideia de que você é uma boa pessoa, e então você pode ficar bravo e atacar a outra pessoa. Minha identidade de alguém que é motivado, produtivo e que tem boas ideias estava sendo ameaçada hoje de manhã. Quando eu não estava sendo produtivo, isso me desesperou porque eu estava preocupado com a possibilidade de que eu não fosse quem eu pensava que era.

Minha solução foi perceber que eu não sou uma coisa. Eu não sou sempre produtivo – algumas vezes sou um pouco preguiçoso. Não sou sempre motivado – algumas vezes eu sou, mas outras vezes não tenho vontade de trabalhar. Nem sempre tenho boas ideias. Posso ser muitas coisas e então essa identidade minha se tornou mais frágil. E então não importa se alguém pensa que eu preciso fazer um bom trabalho – porque nem sempre faço um bom trabalho. Cometo erros e sou menos do que perfeito. E isso é perfeitamente normal.

3. Lembrei que esses dias contam

Eu tenho apenas mais tantos dias na Terra. Não sei quantos dias são, mas sei que é um número muito limitado. Sei que cada um desses limitados dias é um presente, uma benção, um milagre. E que desperdiçar esse milagre é um crime, uma horrível falta de apreciação pelo que me foi dado. E então lembrei a mim mesmo que essa manhã conta. Que eu deveria fazer alguma coisa com ela.

Isso não significa que preciso trabalhar até cansar, digitar até os meus dedos virarem meros tocos, mas que eu deveria fazer algo que valesse a pena. Às vezes, fazer uma pausa para se alimentar é uma atividade que vale a pena, porque isso permite que você faça outras coisas que valem a pena, em vez de ficar sentado com sua auto piedade. Então, eu me levantei e fiz alguma coisa.

4. Criei um movimento

Pode ser difícil começar a se mover quando você está preso. Isso é como me senti em 2005, quando eu não podia mudar nenhum dos meus hábitos. Era realmente muito difícil me motivar quando eu não pensava que iria ter sucesso, quando eu me sentia horrível sobre mim mesmo. Mas eu dei um pequeno passo, e isso foi ótimo. Foi isso o que eu fiz essa manhã – eu dei o menor passo possível.

Apenas abrindo um arquivo, apenas começando uma lista, apenas pegando o notebook. Esses passos são tão pequenos, são insignificantes, mas também são fáceis e possíveis. E isso me mostrou que o próximo passo era possível, assim como o próximo. Eu continuo me sentindo cansado, então mais tarde irei tirar um cochilo. Mas agora estou me sentindo melhor, porque eu dei esses passos.

Sei que alguns de vocês se sentem da mesma forma de tempos em tempos, talvez mais frequentemente do que querem admitir. Está tudo bem. Nós todos nos sentimos. Não somos máquinas, perfeitamente lubrificada e constantemente carregadas e prontas para disparar por todos os cilindros. Nós somos humanos, o que significa que nós falhamos, duvidamos e sentimos dor.

Isso passará.

administradores.com.br

fonte : http://agapedobrasil.com.br/blog/2014/01/23/4-passos-para-superar-a-inseguranca-e-a-desmotivacao/

22jan/140

Ser competitivo faz bem

competitivo

Competição é benéfica e necessária para o ambiente corporativo. É o que aponta uma pesquisa realizada pela consultoria Page Personnel, feita com 200 analistas, coordenadores e jovens gestores de diversos setores, de São Paulo, Rio de Janeiro e Campinas. De acordo com 90% dos respondentes, ser competitivo no trabalho faz bem para o funcionário e para a empresa, e para 40% a disputa é fundamental para o desenvolvimento profissional e para o sucesso da empresa em que trabalham.

As organizações devem manter um bom clima de competição com regras claras, como meritocracia e plano de carreira. Ser transparente na forma como acontecerá uma promoção ou a conquista de um bônus, por exemplo, é fundamental para que não haja conflitos entre funcionários.

“A simples preferência de um gestor por um determinado funcionário é algo muito subjetivo, então a competição deve ser pautada em números, resultados e respostas a feedbacks”, indica Marcelo Cardoso, diretor da RM1, empresa especializada em treinamentos e coaching.

Comportamento dos profissionais

Não se pode confundir ambiente competitivo com clima pesado, carregado. A postura das pessoas faz toda a diferença neste sentido, e um clima saudável de competição depende de funcionários com atitudes leves e respeitosas no dia a dia.

“A competição trabalha indicadores fundamentais para o desenvolvimento humano, como a comunicação interpessoal, a solução rápida de problemas, o respeito a ideias contrárias, as negociações, entre outros. Podemos considerar que esse amadurecimento vale também para a vida particular do indivíduo, podendo torná-lo um ser mais aceitável na sociedade”, ressalta Pedro Rodrigues,  Personal Professional Coach e colunista do Carreira & Sucesso.

Por mais leve que a relação entre colegas precise ser, o universo corporativo é baseado em competição. Para crescer na carreira, o profissional deve saber “jogar o jogo” e vencer muitos desafios, tanto na empresa onde atua, como no mercado de trabalho.

“Um profissional bem preparado emocionalmente e com uma relação saudável com seus colegas deve saber lidar com esse tipo de situação”, completa Marcelo Cardoso.

Fonte: Ser competitivo faz bem | Portal Carreira & Sucesso

20jan/140

Tecnologia que vai vestir voce…

Estamos acostumados a ver os filmes de ficção científica e a nos surpreender com os efeitos especiais, achando que nunca passarão de uma história fictícia, que não viveremos.

Um exemplo clássico é o filme O terno de 2 bilhões de dólares, onde Jackie Chan é o simpático chofer do milionário, que acaba sofrendo um acidente que o hospitaliza. Jackie Chan é enviado para a casa de seu patrão para resolver alguns assuntos quando, sem saber, decide experimentar seu terno. Tal ato não haveria nenhum problema se o terno não fosse computadorizado e desse, a quem o vestisse, uma série de poderes.

O que acabei de descrever já é uma nova realidade nos dias de hoje. A chamada wearable devices é a própria tecnologia incorporada ao vestuário. Outro exemplo mais popular é o óculos Glass da Google, que leva as funções de um computador para o visor do óculos e é acionado pelo comando de voz. Ele grava vídeo, bate fotos, transmite imagens, encontra o caminho certo.

Se você analisar as grandes febres de consumo de tecnologia, verá que nos anos 80 a Microsoft criou o Windows para popularizar os PCs. A Nokia e a Motorola criaram os melhores celulares da década de 90 e a Apple criou o novo padrão para smartphone e tablet.

O que está fazendo a ficção virar realidade é o interesse de empresas de tecnologia, das pequenas até as gigantes, pela disputa por esse mercado bilionário que ainda está em aberto.

Fonte : http://www.menegatti.srv.br/index.php/artigos/artigos-anteriores/1284-tecnologia-que-vai-vestir-voce