BLOG GERANDO DEMANDA
17nov/150

10 licoes de negocios a aprender com Moises, de “Os Dez Mandamentos”

10 mandamentos

A novela "Os Dez Mandamentos", da Rede Record, conta a saga de Moisés para libertar o povo hebreu da escravidão e levar até a Terra Prometida, atual Jerusalém. Para isso, segundo a tradição, o profeta conseguiu manter seu povo unido numa travessia de 40 anos, que passou pelo deserto e atravessou o mar Vermelho. Segundo Márcio Belintani, teólogo e consultor do Sebrae-SP (Serviço de Apoio à Micro e Pequena Empresa), respeitando o contexto histórico e religioso, é possível extrair 10 lições empreendedoras de sua atuação

Moises-guilherme-winterVISÃO | Moisés olhou em perspectiva para deixar um legado. Para isso, segundo a tradição, transmitiu seus conhecimentos. "Durante toda a sua trajetória, ele procurou preparar a sua sucessão e passou todos os seus ensinamentos a Josué que, ao final da jornada, entrou na Terra Prometida, enquanto Moisés pode vê-la apenas de longe, já que foi proibido por Deus de adentrar." Belintani, do Sebrae, diz que um bom líder não deve ter medo de passar seus ensinamentos e nem de preparar o seu sucessor. "Ele precisa saber que não é insubstituível e que vai precisar de alguém para assumir o seu lugar quando acabar a sua missão"

 

desertoOUSADIA | Quando Moisés entendeu o seu "chamado divino" para libertar o povo hebreu da escravidão, segundo a tradição, soube que seria necessário abrir mão do conforto do reino onde foi criado e enfrentar o Faraó, considerado Deus de dois mundos; além disso, precisaria arriscar a própria vida para iniciar uma peregrinação; o mesmo ocorre com o empreendedor, que precisa se arriscar, encarar obstáculos e acreditar nos ideais antes de abrir uma empresa, de acordo com Belintani, consultor do Sebrae

 

moises e jetroPREPARO | Antes de sair em peregrinação, Moisés passou por um período de formação pessoal e de aperfeiçoamento, segundo a tradição. "Ele buscou informações sobre o que acontecia no seu reino, sobre as estratégias do Faraó e começou a formar a seu ideal de reino", diz o consultor do Sebrae. Segundo ele, a busca por informação deve ser contínua para o empreendedor. "Ele deve fazer o seu plano de negócio, que pode ser aperfeiçoado a cada dia. Depois de estabelecida a empresa, ele não pode parar de se atualizar sobre o mercado e ver o que pode melhorar"

 

moises e faraoAUTOCONFIANÇA | Ao longo da sua trajetória, Moisés precisou negociar com o Faraó diversas vezes, e ele sempre optava pelo contato direto, ou seja, face a face, mesmo correndo risco por confrontar a autoridade máxima do Egito na época, segundo a tradição. "A relação face a face agrega valor e otimiza os resultados, por isso deve ser mantida", afirma o téologo e consultor do Sebrae Márcio Belintani

 

moises e hebreusMOTIVAÇÃO | Segundo a tradição, Moisés conseguiu mostrar para o povo hebreu que o período de escravidão deveria acabar e havia algo melhor reservado para ele: a Terra Prometida. Mas, para alcançá-la, todos teriam de brigar para conquistar a sua liberdade. "O mesmo vale para o empreendedor. Uma equipe motivada produz mais e traz mais resultados", afirma o consultor do Sebrae

 

osdezmandamentosPERSISTÊNCIA | Os obstáculos que apareceram ao longo da trajetória de Moisés não o impediram de libertar seu povo, segundo a tradição. "Sua fé o fez conseguir sobreviver ao deserto, às pragas e, ainda, convencer o povo sobre a existência da Terra Prometida", diz Belintani; segundo o consultor do Sebrae, o empreendedor também deve persistir. "Os primeiros anos de uma empresa são difíceis, mas um grande líder não pode desistir nunca. Ele precisa se manter forte para conseguir transformar o seu sonho em realidade"

moisés-e-arãoLIDERANÇA | Quando o movimento começou a tomar força, segundo a tradição, Moisés percebeu que não iria conseguir manter a liderança sozinho. Ele, então, delegou poder a 70 príncipes para poder organizar melhor o povo. "Um grande líder não pode achar que tudo depende dele. Ele deve aprender a delegar tarefas e fazer um bom planejamento para obter sucesso", declara o teólogo e consultor do Sebrae

 

osdezmandamentos4COMPROMETIMENTO | A lealdade de Moisés com seu povo, segundo a tradição, foi determinante para cumprir a missão. "Ele sabia que sem comprometimento com as pessoas sua jornada não seria atingida", diz o consultor do Sebrae. Para ele, o mesmo vale para o empreendedor. "É preciso colaborar com os seus funcionários para eles se sentirem mais seguros e atingirem um bom desempenho e dar total atenção ao cliente, que é o grande responsável pela existência do seu negócio"

images

FOCO | Moisés somente se tornou um grande líder para os hebreus e para o povo de Israel por ter foco e não se desviar do "chamado de Deus", segundo a tradição. "Ele foi íntegro e firme nas suas decisões para cumprir a sua missão", declara o consultor do Sebrae. Para ele, o empreendedor também precisa ser fiel aos seus ideais para cumprir as suas decisões

 

CTkLk-rW4AAPArISEGURANÇA | Na travessia do Mar Vermelho, quando as águas se abrem dando passagem a Moisés e ao povo, segundo a tradição, ele mostrou firmeza de decisão mesmo sendo uma ideia aparentemente impossível: "Diante do desafio apresentado e, perante o temor do povo, Moisés responde com propriedade e faz aquilo que acredita ser a melhor decisão", diz o teólogo e consultor do Sebrae Márcio Belintani

 

Fonte : http://economia.uol.com.br/empreendedorismo/album/2015/11/17/10-licoes-de-negocios-a-aprender-com-moises-de-os-dez-mandamentos.htm#fotoNav=10

3nov/150

Viver sobrecarregado no trabalho pode ser fuga

Se esticar o expediente virou rotina na sua vida –e tudo bem, porque, ao chegar em casa, sente-se angustiado--, pode ser que de forma inconsciente esteja se refugiando de problemas pessoais na vida profissional.

As razões variam. "Uma pessoa com baixa autoestima pode ter a sensação de ser reconhecido apenas na carreira, uma vez que trabalha bastante", afirma Regiane Cristina de Souza, professora de psicologia do trabalho da UEM (Universidade Estadual de Maringá), no Paraná. Também pode ser uma maneira de não encarar relações pessoais problemáticas, diz a especialista.

Mas encontrar equilíbrio e se dedicar a atividades prazerosas que não estejam relacionadas ao trabalho é fundamental para promover bem-estar e qualidade de vida.

Confira estratégias para identificar se está exagerando na jornada profissional e se organizar melhor.

1 - Pare, pense e se avalie

pense
Reflita quantas horas da sua semana dedica a atividades que não envolvem o trabalho, como exercícios físicos, cinema, leitura e programas com a família e os amigos ? Quando há épocas do ano ou do mês que se trabalha mais, ok. Mas se todo o tempo não tem nada mais importante do que o trabalho, é preocupante?, diz Regiane.

2 - Encare os problemas

encare seus problemas
Em curto prazo, o trabalho dá sentido à vida e traz sensação de reconhecimento. Mas, mais cedo ou mais tarde, as situações pessoais que não foram resolvidas voltam à tona e talvez já não tenham mais solução. Portanto, esforce-se, assim como faz diante dos desafios profissionais, para não empurrar mais os seus problemas para debaixo do tapete.

3 - Organize a sua rotina

to do list
Planeje a sua próxima semana ainda na sexta-feira, com a ajuda de uma agenda, para que não tenha de fazer horas extras. Elenque os compromissos e o prazo estabelecido para cumprir cada um. Dessa forma, conseguirá realocar as atividades, sem prejuízos na jornada de trabalho, quando um imprevisto surgir. ?O planejamento favorece a organização da mente, que se reflete na vida pessoal e profissional?, afirma a professora.

4 - Estabeleça prioridades

Prioridades1

Com as tarefas listadas, priorize as que são mais importantes. ?Hoje em dia, nas organizações, todas as demandas são consideradas urgentes. Mas tem de avaliar: se tudo for urgente, nada mais é?, declara Rafael Chiuzi, especialista em psicologia do trabalho pela USP (Universidade de São Paulo).

5 - Delegue mais

delegue
O excesso de trabalho e de horas extras pode ser consequência da sua dificuldade em transferir as responsabilidades para outras pessoas da equipe. Se for o caso, terá de se forçar a confiar mais no desempenho dos pares. Saber trabalhar em grupo é uma competência apreciada pelas organizações e pode ajudá-lo a ter mais tempo para desenvolver projetos pessoais.

6 - Elimine distrações no trabalho

distraidos
Skype, WhatsApp, Facebook e outras redes sociais são vilões da produtividade, de acordo com Renata Nigri, especialista em gestão de negócios pelo IBMEC (Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais), no Rio de Janeiro. O que não significa que você precisa parar de usar, mas, sim, separar momentos pontuais do dia para se dedicar a essas redes. Por exemplo, ao fim de cada tarefa cumprida.

7 - Converse com seu chefe

chefe
Quando se sentir sobrecarregado, convoque uma reunião com o seu superior e exponha o problema. Mas vá com calma, sem tom de cobrança, porque, por entregar resultados sempre, ele pode não ter percebido o excesso de trabalho ? Antes de reclamar, pense em alternativas para solucionar a questão?  fala Sylvia Ignacio da Costa, professora do curso de Gestão de RH da Universidade Anhembi Morumbi, em São Paulo.

 

Fonte : http://mulher.uol.com.br/comportamento/listas/viver-sobrecarregado-no-trabalho-pode-ser-fuga.htm

31ago/150

A proposito: voce sabe aonde quer chegar?

Veleiro

 

Lucro + justiça social, competição + espiritualidade, eficiência + bem estar: atualmente, ter um propósito faz toda a diferença. E quanto antes você descobrir o seu, melhor para sua empresa. 

“Se um homem não sabe a que porto se dirige, nenhum vento lhe será favorável.” Sêneca

Sexta feira, final do dia e do mês. Em um momento de rara tranquilidade, você, empreendedor(a), está em sua sala, olhando para o horizonte e refletindo sobre o propósito desta semana e das três que a antecederam: elas foram absolutamente frenéticas. Reuniões e mais reuniões, relatórios intermináveis para preencher, processos para acompanhar, contratações para realizar, planejamentos para coordenar, viagens de um dia; tudo embalado pela trilha estridente do telefone, que não parou de tocar.

O telefone, aliás, toca nesse momento. Escandaloso, o aparelho soa e vibra ao lado da sua caneca de café. Ambos estão na sua mesa que, com objetos espalhados e torres de papel por todos os lados, parece a maquete de uma metrópole caótica. Tudo aparentemente sem propósito. Aparentemente.

Então, após um longo suspiro e um gole de café frio, você:

1) sorri satisfeito e atende o telefone

2) deixa que toque até parar, porque você não aguenta mais

Independentemente da resposta dada para a situação hipotética acima, ela tem a ver com uma questão fundamental não apenas para qualquer empreendedor, mas para qualquer pessoa. Tem a ver com saber onde queremos chegar. Tem a ver com o propósito – e é disso que este artigo vai tratar.

Nos corações e mentes das novas gerações

Hoje em dia, felizmente, o propósito como o conhecemos voltou à pauta. A vontade maior de realizar ou conquistar algo retornou à voga, e isso é tremendamente promissor. Afinal, é consenso, entre antropólogos e outros especialistas, que as novas gerações se distinguem cada vez mais das anteriores por buscarem fazer aquilo que realmente gostam, a arriscar por aquilo que as move de fato – de acordo com a consagrada máxima de que “dinheiro é consequência”.

Há uma série de explicações para este retorno triunfal. Novas possibilidades tecnológicas, ausência de guerras significativas, conjunturas econômicas favoráveis, etc; mas deixaremos esta contextualização a cargo dos especialistas.

Aqui, vamos refletir sobre o propósito no seu âmbito, caro empreendedor. E você verá que, por mais que pareça uma discussão um pouco abstrata, é uma reflexão fundamental para qualquer atividade com a qual você venha a se envolver.

Não sei se tenho um propósito

Será? Pode até ser que você tenha, mas que utilize outro nome ou expressão: objetivo, finalidade, desígnio, etc. De toda forma, a nosso ver propósito é um termo mais exato, pois expressa justamente aquela vontade imensa que sentimos de realizar/alcançar algo.

TER UM PROPÓSITO CLARO NA VIDA É SABER ONDE SE QUER CHEGAR – E, SOBRETUDO, DISPOR DA ENERGIA NECESSÁRIA PARA ENFRENTAR A TRAJETÓRIA, QUE CERTAMENTE NÃO SERÁ FÁCIL.

Tomemos como exemplo a situação hipotética do início do texto. Claro que se trata de uma suposição; porém, se você ainda não tem um propósito bem definido, é provável que opte pela segunda opção. Afinal, quando você não tem muita ideia do que pretende realizar, nenhuma atividade será realmente de seu contento. Nenhum vento será favorável, como propôs o pensador romano Sêneca na epígrafe deste artigo.

Então, nas situações-limite – e elas são muito frequentes na vida de um empreendedor –, o mais provável é que você, irritado e infeliz, sinta vontade de mandar tudo às favas, quando deveria ser o contrário.

Mas como definir o meu propósito?

Não existe uma fórmula definitiva. Afinal, ele é o seu propósito; é uma questão muito íntima e subjetiva, com a qual cada um tem seu próprio jeito de lidar. Às vezes o propósito surge por eliminação – após nos envolvermos em uma série de atividades, enfim o descobrimos; às vezes já temos a certeza desde a mais tenra idade; às vezes o propósito surge por inspiração de alguém que você admira.

De toda forma, o fato é que um propósito não é identificado sem que façamos, em dado momento de nossas vidas, algumas perguntas incômodas a nós mesmos: qual é o sentido de viver para trabalhar? Qual o propósito de dedicar pelo menos um terço – geralmente muito mais – da minha vida a atividades cujo sentido desconheço? E talvez a mais temida de todas: sou feliz com o que faço?

“O meu propósito é o dinheiro”, você pode responder. Claro, um propósito mais do que legítimo. Porém, refazemos a pergunta: qual o propósito de ir em busca desse dinheiro? “Conforto”, “casa própria”, “viagens”, “educação de qualidade para meus filhos…”; perfeito. Mas – e pedimos perdão pela insistência –, para que tudo isso?

As perguntas são mesmo incômodas; mas as respostas podem te ajudar a ter muito mais clareza, tanto na vida quanto no momento de se posicionar diante dos clientes.

É SOMENTE AO DESCOBRIR O SEU PROPÓSITO QUE VOCÊ PODERÁ REALMENTE OFERECER ALGO AO MERCADO, DIFERENCIANDO-SE DAQUELES QUE APENAS QUEREM ALGUMA COISA DELE.

Ter um propósito é ter algo a entregar de fato

Em relação aos negócios, quando o seu propósito é bem definido, é muito provável que o da sua empresa também seja. Em consequência disso, fica muito mais fácil promover uma oferta de valor para o mercado, porque você conseguirá transmitir confiança naquilo que oferece. Se algum cliente não quiser, sem problema; outro há de querer. E aí, sim, a prosperidade financeira será mera consequência destes valores intangíveis que você oferece.

Por outro lado, se você ainda não identificou o seu propósito, é importante que comece a refletir. Primeiro porque, se for somente dinheiro, é mais difícil passar a confiança necessária para os consumidores. E segundo porque, com um propósito, a vida fica certamente muito mais leve, e os desafios que ela impõe, mais suportáveis.

Empreendedorismo: um propósito e tanto

Para concluir, algumas palavras sobre a dimensão do propósito empreendedor em termos econômicos e sociais aqui no Brasil.

Uma última pesquisa realizada pelo GEM (Global Entrepreneurship Monitor) mostrou que no Brasil há, hoje, aproximadamente 27 milhões de pessoas envolvidas ou em processo de criação de negócios por conta própria. E estes 27 milhões são responsáveis por mais de 60 milhões de empregos formais e informais – ou seja, a mais de 75% da massa trabalhadora em atividade. De acordo com este artigo do portal Administradores, o Brasil aparece em terceiro lugar no ranking de 54 países do estudo. Uma outra pesquisa, realizada pela Cia. de Talentos, indica que 56% dos jovens entrevistados pretendem abrir um negócio por conta própria.

São números assombrosos, sem dúvida; mas que apenas comprovam o fato de que cada vez mais pessoas vão em busca de seus propósitos, transformando seus sonhos em negócios, e transformando assim também a vida de outras pessoas e, enfim, da nossa sociedade.

Alguma recomendação de leitura mais aprofundada?

Claro. Recentemente, o jornalista Alexandre Teixeira lançou o livro De dentro para fora: como uma geração de ativistas está injetando propósito nos negócios e reinventado o capitalismo.

Na obra, Teixeira cita exemplos de empreendedores que lutam para conciliar lucro e justiça social, competição e espiritualidade, eficiência e bem estar; enfim, como procuram um caminho mais sustentável e um sentido mais profundo sem abandonarem o mercado. O texto pode ser muito inspirador neste momento em que você talvez busque seu próprio propósito.

Então, boa leitura — e boa busca!

Afinal, todos merecemos marcar a primeira opção naquela hipótese lá de cima.

Leia mais em Endeavor @ https://endeavor.org.br/proposito/

26ago/150

6 Licoes do mundo dos negocios que todo mundo deveria aprender

Você já tomou alguma decisão errada hoje?

O pior é que nem sempre aprendemos com nossos erros. A vida passa muito rápido, mas saber observar e interpretar as cagadas falhas facilita o nosso aprendizado, seja para a rotina no dia-a-dia, para o trabalho, para os relacionamentos, etc.

A rede colaborativa 9gag, publicou 6 lições do mundo dos negócios que todo mundo deveria aprender. São historinhas simples e divertidas, mas carregadas de aprendizado. Se liga!

erro_sossolteiros

1. Gestão de conhecimento

Um homem está entrando no banho enquanto sua esposa está saindo, quando toca a campainha. A esposa rapidamente se enrola na toalha e desce as escadas da casa. Quando ela abre a porta, vê Bob, o vizinho da casa ao lado. Antes que ela dissesse qualquer palavra, Bob diz:

– Eu lhe darei $800 se você deixar a tolha cair.

Depois de pensar por um momento, a mulher deixa a toalha cair e fica nuazinha na frente do Bob. Depois de alguns segundos, o vizinho lhe entrega os $800 e vai embora.

A mulher se enrola na toalha novamente e sobe as escadas. Quando chega ao banheiro, o marido lhe pergunta:

– Quem era?

– Era o Bob, nosso vizinho – ela responde.

– Que bom – respondeu o marido – ele disse alguma coisa sobre os $800 que ele me deve?

Moral da história:

Se você compartilhar informações importantes relativas a crédito e riscos com seus sócios a tempo, você previne exposições desnecessárias!

vizinhosafado

2. Conhecimento é tudo
Um padre oferece carona a uma freira. Ela entra no carro e cruza as pernas, mostrando mais do que deveria, fazendo o padre quase sofrer um acidente. Depois de controlar o carro, ele sorrateiramente desliza a mão pela perna da freira. Ela, então, diz:

- Padre, lembre-se do Salmo 129!

O padre retira a mão. Mas, quando vai trocar a marcha, ele passa a mão na perna da freira outra vez. Ela volta a dizer:

- Padre, lembre-se do Salmo 129!

O padre se desculpa dizendo:

- Desculpe, freira, a carne é fraca.

Chegando ao convento, a freira suspirou profundamente e seguiu seu caminho. Quando o padre chega à igreja, vai apressadamente olhar o Salmo 129, que dizia “Vá em frente, persista, mais acima encontrarás a glória”.

Moral da história:

Se você não está bem informado sobre o seu trabalho, pode perder excelentes oportunidades.

 

freira_sossolteiros1

3. Chefe e líder
Um representante de venda, um secretário administrativo e o gerente estão indo almoçar, quando encontram uma antiga lâmpada a óleo. Eles a esfregam e o gênio da lâmpada aparece. O Gênio diz:

– Eu darei um desejo para cada um!

– Eu primeiro, eu primeiro! – Diz o secretário administrativo – Eu quero estar nas Bahamas dirigindo um barco, sem qualquer preocupação na vida.

Puff! Ele se foi.

– Eu sou o próximo, o próximo! – Diz o representante de venda – Eu quero estar no Havaí, relaxando com minha massagista, uma fonte inesgotável de Piña Colada e com o amor da minha vida.

Puf. Ele se foi.

– Ok! Agora é sua vez! – Diz o Gênio para o gerente.

E o gerente responde:

– Quero os dois de volta ao escritório depois do almoço!

Moral da história:

Sempre deixe o seu chefe falar primeiro.

lampada mágica

4. Zona de Conforto

Uma águia está sentada em uma árvore descansando. Um pequeno coelho a vê e pergunta:

– Posso ficar sentado como você e não fazer nada?

A águia responde:

– Claro, por que não?

Então, o coelho se senta no espaço abaixo da águia e descansa. Do nada, aparece uma raposa, pula sobre o coelho e o devora.

Moral da história:

Para ficar sentando sem fazer nada, você tem que estar sentando muito, mas muito alto.

sentado_sossolteios-e1440184958734

5. Merd@s acontecem

Certa vez, um peru estava conversando com um touro:

– Eu adoraria chegar à copa daquela árvore – suspirou o peru – mas eu não tenho energia.

– Bem, por que você não come um pouco do meu estrume? – respondeu o touro – Ele contém muitos nutrientes.

O peru comeu um pouco do estrume e percebeu que aquilo lhe dava energia suficiente para alcançar o galho mais baixo da árvore.

No dia seguinte, depois de comer mais estrume, ele alcançou o segundo galho.

Finalmente, depois da quarta noite, o peru estava orgulhoso de ter chego à copa da árvore.

Ele foi visto imediatamente por um fazendeiro, que atirou e fez com que ele caísse lá de cima.

Moral da história:

Merd@s podem fazer você chegar ao topo, mas não manterão você lá.

turkeyshoot

6. Pontos de vista

Um passarinho estava voando em direção ao sul, no inverno. Estava tão frio que o pássaro congelou e caiu no chão em um grande campo. Enquanto ele estava deitado, veio uma vaca e defecou sobre ele. Como ele estava congelado debaixo das fezes da vaca, ele percebeu que ali era realmente quentinho.

O dejeto estava, na verdade, descongelando-o. Ele estava deitado, aquecido e feliz e começou a cantar de felicidade. Um gato, que ia passando por ali, escutou o passarinho cantar e foi averiguar o que estava acontecendo. Perseguindo o som, o gato descobriu que o pássaro estava debaixo das fezes da vaca. Tirou-o dali e comeu o passarinho.

Moral da história:

Nem todo mundo que defeca em você é seu inimigo.
Nem todo mundo que tira você da merd@ é seu amigo.
E quando você está na merd@ é melhor ficar de bico calado.

vaca

 

 

 

 

 

 

 

Fonte : http://sossolteiros.bol.uol.com.br/6-licoes-do-mundo-dos-negocios-que-todo-mundo-deveria-aprender/?cmpid=fb-uolnot

17ago/150

Voce tem um mentor? A mentoria empresarial e fundamental para crescer no negocio

por 

Desde pequeno buscamos mentores na vida. Um professor, um tio querido, um amigo da família, um chefe. Estamos sempre buscando pessoas que, de alguma forma, tocam nossas vidas de maneira especial, nos influenciando e ajudando a buscar caminhos e tomar decisões importantes. Na hora de decidir a carreira a seguir, por exemplo, muitas vezes está ali a presença de um mentor, que inspira e aconselha. E, ao empreender, a mentoria empresarial é fundamental para crescer no negócio.

Na minha vida de empresária tive acesso a vários tipos de mentoria, desde as informais até as especializadas. Só entrei para a universidade mais tarde, já com o Instituto Beleza Natural em pleno funcionamento. Por causa disso, tentava aproveitar cada aula, cada dica, e tinha meus professores, que já tinham experiência de outras organizações, como meus mentores. Aquelas experiências práticas eram exemplos para mim e eu tentava aplicá-los em questões do dia-a-dia da empresa, do atendimento às clientes, da produção da fábrica.

patoDepois, com a empresa já mais estruturada, buscamos o Sebrae. Foi o primeiro passo do Beleza Natural em busca de uma mentoria especializada. A organização presta um excelente serviço de aconselhamento ao pequeno empreendedor. Os cursos de curta duração deles, como os de capacitação em atendimento, vendas, treinamento de equipe, foram uma mentoria muito importante para o nosso negócio. A aproximação com os instrutores do Sebrae foi muito bacana e proveitosa, pois trouxe para nós uma vivência real do negócio. A estrutura deles, com consultores e instrutores, nos ajudou bastante na formatação do negócio, ainda no início de nossas operações, com o aconselhamento sobre o modelo de crescimento, a utilização ou não do formato de franquias e outras questões.

Foi também através do Sebrae que conseguimos entrar num concurso de cases de sucesso de pequenas empresas. Esta foi a ponte para nós do grande modelo de mentoria do Beleza Natural.  Nós ganhamos o concurso e, na premiação, assistimos a uma palestra do empreendedor e empresário Mario Chady, sócio-fundador do Spoleto, que veio a ser um dos nossos grandes mentores. Ele falou bastante sobre sua experiência positiva com a Endeavor, ONG de apoio ao empreendedorismo, o que nos inspirou bastante e nos fez correr atrás desta mesma oportunidade.

E o modelo de mentoria profissionalizada da Endeavor foi a grande porta que se abriu para nós. E continua abrindo muitas outras portas para o nosso negócio. O modelo deles nos proporciona ter contato com empresários de sucesso, que nos aconselham em diversas questões da empresa. Porque, mesmo com 20 anos da história, os mentores ainda são muito importantes para nós!

Em nosso negócio, aplicamos várias dicas dadas por estes mentores. Com profissionais da Natura, por exemplo, tivemos verdadeiras aulas sobre pesquisa e desenvolvimento que aplicamos em nossa fábrica. Com o Spoleto, do Mário Chady, aprendemos muito sobre como administrar a gestão e controles para crescer e multiplicar o negócio com sustentabilidade.

Minha grande dica para quem está começando é enxergar oportunidades de ouvir outros empreendedores, mesmo que de outras áreas, e trocar experiências que possam trazer um olhar diferente para o negócio.  Mesmo que o business seja diferente, os dilemas sempre são parecidos. Desde questões de crescimento, de atendimento, de profissionalização, negociações, treinamento, planejamento estratégico até a dilemas sobre qualidade de vida x dedicação ao trabalho... Enfim, qualquer que seja o tipo de negócio, os problemas dos empreendedores são os mesmos.

Muitas vezes, aquela pessoa já viveu e venceu uma dificuldade que você pode estar passando com a sua empresa e vai trazer um aconselhamento que pode ser o atalho para resolver uma questão importante, uma crise, dar um passo adiante.

E a ajuda pode estar mais perto do que parece! Você pode encontrar seu mentor onde menos espera. Pode ser alguém do seu círculo de amizades, um parente, alguém que tenha um negócio bem sucedido e que possa, de alguma forma, passar um pouco de sua experiência. De forma mais profissional, recomendo instituições como o Sebrae (www.sebrae.com.br), Emrpeenda (www.grupoempreenda.com.br), Emprendedorismo Rosa, para mulheres (www.empreendedorismorosa.com.br).

 

Fonte : https://www.linkedin.com/pulse/voc%C3%AA-tem-um-mentor-mentoria-empresarial-%C3%A9-fundamental-leila-velez

6mai/150

Lideres excepcionais: 8 virtudes exclusivas deles

Você sabe quando está ao lado de um(a) grande líder. No mínimo, sente vontade de ser influente e equilibrado(a) como aquela pessoa. Mas você talvez não saiba o que exatamente torna esses líderes excepcionais. Preste bastante atenção, porque aqui vão alguns segredos por trás do encantamento que essas pessoas provocam, e você vai ver que não é mágica. Na verdade, os melhores líderes…

 

 1. Perdoam e esquecem os erros

perdoar erros

Quando um colaborador comete um erro, especialmente um grande erro, o primeiro impulso é descer a lenha. No entanto, líderes excepcionais são capazes de dar um passo atrás, relevar e pensar na trajetória daquele profissional. Assim, conseguem esquecer o erro, porque sabem também que um erro não esquecido compromete a confiança e o desempenho do profissional que errou. Por isso, a estratégia mais sábia é lhe dar uma nova chance para surpreender, até que as expectativas sobre ele sejam renovadas.

 

2. Permitem que o time aprenda suas próprias lições

aprender a lição

É mais fácil questionar um colaborador até garantir que a lição foi aprendida do que deixar que o profissional aprenda suas próprias lições. Acontece que as lições que aprendemos por nós mesmos são as lições de que nos lembramos para sempre. Grandes profissionais não precisam ser repreendidos, eles sabem o que fizeram de errado. Por isso, líderes excepcionais direcionam seu colaborador até descobrir o que houve e o que fazer para corrigir o erro.

 

3. Descobrem o que dá emoção às pessoas

 

emoção

Líderes investigam até entenderem o porquê do surgimento de pseudochefes. Às vezes, os colaboradores assumem tarefas ou funções sem aprovação nem justificativa. Às vezes, disputam uma posição, armam um jogo de politicagem ou ignoram os objetivos da empresa na busca de objetivos pessoais. Quando isso acontece, é fácil supor que eles não ouviram ou não se importam. Mas quase sempre há uma razão mais profunda: eles se sentem sufocados, estão magoados porque não têm grandes papéis e estão tentando encontrar um significado no seu trabalho.

 

 4. Transformam objetivos da empresa em metas pessoais

objetivo em meta

A lógica é a seguinte: para quem você trabalharia mais: para uma empresa ou para você mesmo? Por isso, o líder excepcional faz seus colaboradores sentirem como o trabalho os beneficiará tanto quanto à empresa. Que habilidades intelectuais e sociais poderão desenvolver e provar ao grupo que têm? Se a equipe vir no projeto uma chance de brilhar e ser reconhecida, irá se empenhar por um propósito pessoal, não por uma “meta do mês”.

 

 5. Não veem o controle como recompensa


Success metaphor

Muitos querem desesperadamente ser chefe para finalmente dar as ordens. Líderes genuínos não têm essa prioridade e são designados para controlar porque, antes de tudo, são um braço direito. Seja para um cliente que está decepcionado, um vendedor que se sente enganado, um colega de trabalho magoado. Seja qual for o problema, os melhores líderes sabem se por no lugar e apoiar o seu time porque, do contrário, a autoconfiança e a autoridade dos colaboradores serão prejudicadas.

 

6. Sabem quais decisões lhes competem

decisões

Quando uma decisão precisa ser tomada, a pessoa mais indicada a fazer isso não é necessariamente o líder, mas o profissional mais próximo do problema. Uma das virtudes ocultas dos líderes excepcionais está no fato de eles entenderem quando não são a pessoa certa para tomar certas decisões. Então, indicam a pessoa adequada, não porque querem evitar tomar certas decisões, mas por humildade e prudência, assumindo que outros conhecem melhor o contexto em questão.

 

7. Deixam que os profissionais deem ideias

 

ideia

A colaboração gera um potencial muito grande no desempenho dos profissionais. Os maiores líderes sabem que, se os times compartilharem seus conhecimentos e suas dúvidas, por exemplo, por meio de pequenas palestras da própria equipe, do rodízio de papéis e de grupos de estudo, grandes ideias surgirão. Além disso, os colaboradores ficarão não só mais próximos como também mais conscientes da importância de ouvir e questionar para aprender a comunicar e vender o produto ou serviço da empresa.

 

8. Voltam para casa com a sensação de que poderiam ter feito mais

fazer mais

Essa é uma virtude oculta. Você não vê, mas eles gostariam de ter tratado sua equipe com um pouco mais de empatia e sentem que poderiam ter feito mais para transmitir confiança aos colegas. E é por isso que, embora você não possa ver, quando líderes excepcionais passam pela porta todos os dias, selam um acordo silencioso com eles mesmos para fazer amanhã um trabalho mais benfeito do que ontem. E quando chega o novo dia, é o que fazem.

 

Líderes excepcionais são capazes de aumentar a produtividade do seu time. Simplesmente por reconhecerem que tarefas burocráticas como enviar e-mails, fazer reuniões de acompanhamento e preencher planilhas de horas podem ser substituídas por um software de gestão.

 

Fonte : Experimente grátis o Runrun.it, adotado em mais de 100 mil empresas do mundo:http://runrun.it

 

30abr/150

Veja cinco acoes para motivar sua equipe (sem precisar por a mao no bolso)

Ricardo Marchesan
Do UOL, em São Paulo
equipe-motivada1

As pessoas trabalham para conseguir dinheiro. É difícil fugir dessa regra do mercado. Mas não é apenas incentivo financeiro que vai garantir o melhor desempenho dos profissionais. Além disso, nem sempre é possível dar bônus e aumentos de salário, principalmente em tempos de crise.

Ser capaz de motivar a equipe e estar atento às suas necessidades é qualidade essencial para um líder. "Muitos são capazes de administrar coisas e atingir resultados, mas liderar pessoas não é para qualquer um", afirma Geovana Magalhães, gerente de desenvolvimento de lideranças e engajamento da LHH, consultoria especializada em carreira.

Segundo ela, primeiro o líder tem de estar atento ao que motiva cada pessoa, abrindo um diálogo muito franco com os subordinados, para perceber e perguntar de forma direta o que as pessoas apreciam, o que as deixam motivadas e mais felizes.

"Cada pessoa se motiva por uma razão diferente. Para algumas é dinheiro, outras querem liberdade de atuação, qualidade de vida ou grandes desafios para que possam se desenvolver", afirma.

Saber o que estimula cada pessoa é o primeiro passo. Confira outras cinco ações básicas para manter a equipe sempre em busca do melhor resultado.

Reconhecer

reconhecimento

A primeira medida para motivar a equipe pode ser a mais simples: reconhecer o sucesso e o bom trabalho. "O ser humano não é nada sem reconhecimento", afirma Jonas Duarte, sócio-diretor da Crescimentum, consultoria especializada em desenvolvimento de líderes.

Como resolver isso? No dia a dia, pode ser o elogio e o retorno em uma avaliação, conhecido na linguagem corporativa como feedback.

Mas outros gestos também podem mostrar sua satisfação. "Se o profissional desenvolveu um determinado projeto e o chefe o leva junto na hora de defender [esse trabalho] para a diretoria, ele se sente valorizado", afirma Geovana Magalhães.

Inspirar

inspiracao

Liderança é incentivar, cobrar e passar funções, mas também inspirar sua equipe, sendo um modelo. "[O chefe] precisa ter coerência entre o que fala e o que faz", afirma Geovana Magalhães.

É preciso também que sua equipe entenda os valores e missões da companhia ou de sua área. "É comum o funcionário estar trabalhando e não saber o objetivo, a missão dentro da empresa", diz Jonas Duarte.

Segundo ele, o gestor deve falar individualmente com cada funcionário, para entender se os valores e objetivos da empresa estão de acordo com o funcionário. E não basta que aconteça apenas na hora em que ele é contratado. "Isso tem de ser lembrado mensalmente, se possível", afirma Duarte.

 

Delegar

delegar-

Sabe o ditado "se quer algo bem feito, faça você mesmo"? Pois então, um bom líder não deveria dar ouvidos a ele. Centralizar tarefas é uma opção ruim. Saber delegar funções é uma habilidade essencial do bom chefe.

"Delegar funções que o líder entende que seu funcionário pode fazer é uma forma de motivar", afirma Duarte. "O profissional  naturalmente vai se sentir reconhecido".

Desafiar

desafios

A rotina e mesmice podem ser outros fatores que destroem a motivação do funcionário. Cabe ao gestor, também, colocar desafios e tarefas novas à sua equipe, que fujam da atividade normal de cada um.

O líder deve saber se o funcionário gosta de se sentir desafiado e é capaz de desempenhar a tarefa, mas a ideia, afirma Duarte, é justamente desafiar seu profissional.

"É um obstáculo, no bom sentido, para que o funcionário consiga se conhecer. Quando ele percebe que fez algo diferente, que não fazia, se sente motivado", afirma.

Ouvir

comunicacao-maos-dedos-expressao-1374283346202_615x300

Os profissionais desejam ser ouvidos. "A participação das pessoas nas soluções também motiva os grupos. Mas não basta escutar. Tem de ouvir e considerar aquela resposta como uma possibilidade real", afirma Geovana Magalhães.

 

Fonte : http://economia.uol.com.br/empregos-e-carreiras/noticias/redacao/2015/03/31/veja-cinco-acoes-para-motivar-sua-equipe-sem-precisar-por-a-mao-no-bolso.htm

10abr/150

Lideranca: 9 licoes eternas de como ser alguem mais influente

influence

O que faz um(a) líder ser diferente de seus liderados? Experiência? Nem sempre… A biografia dos maiores líderes não nos deixa mentir: foram quem foram porque usaram e criaram todas as oportunidades possíveis de crescer. Extraíram o maior bem do maior mal. Alcançar a liderança não é alcançar um título de distinção, mas causar impacto por compreender algumas leis da natureza humana. E assim, a influência do líder reverbera pela boca e pelas mãos de quem vai ao seu lado. Não ao seu redor ou atrás, mas ao seu lado. Afinal, só é capaz de criar outros líderes – e não seguidores – aquele que se reinventar sempre, sem por isso abandonar algumas lições eternas. E por falar nelas…

1. Oportunidades estão em toda parte, mas poucos podem vê-las

Comece a olhar além do óbvio. Liderar exige que você veja os detalhes e não permita que sua capacidade crítica definhe, ou você pare no tempo e não procure por novas perspectivas para os seus problemas. Por exemplo, se o relacionamento do time não é dos melhores, pode não ser pela correria do dia a dia, a equipe que cresceu etc. (o óbvio), mas pela cultura receptiva da empresa que foi esquecida, gestores que se desentenderam e isolaram suas equipes ou a contínua falta de gentileza (o detalhe).

2. Mudança sem estratégia não é evolução, mas mera substituição
Não espere até que as circunstâncias forcem sua mão a mudar. Prever e saber lidar com a mudança é a regra de ouro oculta em cada briefing das suas tarefas. Infelizmente quem ignora isso coloca em risco o futuro da empresa e o desempenho da equipe. Pergunte-se: qual é a pior coisa que pode acontecer? Então, prepare-se para isso e trabalhe duro para aperfeiçoar o pior. Um planejamento estratégico e bem comunicado servirá para todos minimizarem os riscos juntos em busca da maior recompensa possível.

3. Empreendedorismo é um estilo de vida
Você não precisa ser um empreendedor para ter uma postura empreendedora nem fundar uma startup para estar cercado de gente ambiciosa, enérgica e criativa. Pensar na contínua renovação e reinvenção de você mesmo como líder, isso sim te fará influente. Mas como nada pode ser reinventado num piscar de olhos, o estilo de vida empreendedor deve ser uma mentalidade assimilada por toda a equipe. Hyundai e Google são referências no mercado porque investem em testar ideias que podem vir de qualquer um, independentemente da hierarquia.

4. É preciso estar muito bem disposto a ser uma influência
Todos nós temos grandes ideias, mas muitas delas não têm coragem de sair do papel até descobrirmos que nosso concorrente está fazendo aquilo que nós pensamos antes. Por isso é tão importante fazer uma avaliação da cultura da empresa a cada três anos, em média. Isso pode parecer uma trabalheira, mas o mercado exige. Não precisam ser mudanças radicais, mas uma revisão da forma de fazer as coisas, desde a gestão de tarefas e tempo do time até a relação interpessoal entre chefes e colaboradores. Não confie que só a sua equipe bastará para te ensinar o que você deve saber. Corra, por sua conta, atrás de mais conhecimento.

5. O líder perde sua fortuna quando perde sua autoconfiança
Confiar em si mesmo é a habilidade de conhecer seus pontos fortes bem o suficiente e saber que suas fraquezas não influenciarão seus resultados no trabalho. É a capacidade de saber que, quando seu esforço, seu preparo e sua vocação encontrarem as oportunidades, você estará pronto para qualquer situação. Quantas vezes você ouviu uma voz dizendo “vá, faça”, e você não fez e esperou que outros assumissem o risco? Afinal, você pediu que eles te influenciassem? Não é o contrário que você quer?

6. Se não eu, quem? Alguém, com certeza
A sua liderança é uma marca e cuidar dela é missão de vida para uma pessoa que quer influenciar e inspirar segurança no seu ambiente de trabalho. Gerir a sua marca de liderança é semelhante a gerir a marca da sua empresa. Quando os líderes não conseguem definir uma identidade para sua equipe, a organização começa a perder sua vantagem competitiva (incluindo a proatividade, a resiliência e a criatividade). Se você não for fiel à sua própria marca de liderança, alguém o fará e sua identidade se tornará vulnerável. Por isso, descubra que tipo de inspiração você é e não deixe jamais de transmiti-la. Uma crise da sua imagem tornará ainda mais fácil duvidar da sua capacidade, seus objetivos e suas decisões.

7. A adversidade pode destruir ou revelar você
Não há como contestar que a maneira como você conduz sua equipe enquanto atravessa um conflito e uma crise são as primeiras lembranças que virão à cabeça das pessoas. Quando tudo desmorona, você pode ser mais um escombro ou a coluna que ergue a ágora. Sua marca estará no centro das atenções. É nessas horas que você constrói quase toda a reputação de uma carreira. O que os outros encaram como um grande problema você pode ver como um empecilho facilmente reversível ou controlável. É examinando as adversidades com a “lente da oportunidade” que você prova ser um privilégio estar sob a sua liderança

8. Diz-me com quem andas e eu te direi como lideras
As pessoas com quem você decide se associar influenciam significativamente as suas intenções, as decisões que você toma, e acabarão por moldar o seu estilo de liderança. Por isso, pergunte a si mesmo o que você ganha com cada um dos seus colegas de trabalho e o que você lhes oferece. Afinal, eles são capazes de te mostrar suas fraquezas e te encorajam a buscar ser uma pessoa mais forte e um líder mais maduro? Para ser alguém mais influente, você antes tem de entender como as outras pessoas te influenciam, a ponto de romper a sua visão conservadora do mundo, seus bons modos no dia a dia e até mesmo os seus propósitos mais elevados de vida.

9. O sucesso de um líder não é perdido nem ganho em um instante
Ninguém será líder se quiser fazer tudo sozinho ou ganhar todos os créditos por um feito. E a única maneira de levar alguém a fazer algo com você é despertar nele a grande vontade de fazer. Vontade essa que não surge de uma grande expectativa depositada, e sim do sentimento de que aquela tarefa é um divisor de águas, uma responsabilidade como cuidar de um filho, que dará ainda muito orgulho, até antes do que se pensa. Por isso a liderança não se alcança do dia para a noite. Fomentar esse sentimento é recusar-se a fazer falsas promessas e, em vez disso, demonstrar regularmente o seu maior interesse na necessidade dos outros de crescer. Educação custa dinheiro? Também custa a ignorância.

Se há uma atitude que você pode tomar agora mesmo para se tornar um líder mais influente e inspirar toda uma equipe é tornar a sua metodologia de trabalho mais simples e inteligente. Conheça o software de gestão de tarefas, tempo e desempenho adotado por mais de 100 mil empresas em mais de 100 países do mundo.

Experimente o Runrun.it grátis: http://runrun.it

fonte : http://blog.runrun.it/lideranca-como-ser-mais-influente/

7abr/150

No trabalho, nem sempre os fins justificam os meios

a-importancia-da-etica-e-honestidade-na-imagem-de-uma-empresa

 

Por : Eugênio Mussak, da VOCÊ S/A

Um jogador que corre com a bola em direção ao gol está cumprindo seu ofício. Está justificando seu salário, fazendo jus ao amor dos torcedores. O outro time sabe disso e tem a obrigação de detê-lo, de impedir o exercício de sua habilidade.

Assim é o futebol, a beleza da arte de jogar, a metáfora da vida, na qual às vezes se vence, às vezes se perde, e que exige planejamento, treino exaustivo e equilíbrio emocional.

Um gol é sempre motivo de comemoração. Ele é o caminho para a vitória, para a classificação, para o título. No entanto, há gols que deveriam ser lamentados.

Ao perceber um adversário contundido, um jogador coloca a bola para fora para permitir o atendimento ao colega. Quando, finalmente, a redonda é reposta, o jogador que parecia machucado a recebe, em boas condições, para surpresa geral. Passa por zagueiros e, sem nenhum esforço, mete a bola na rede. Ele faz o gol. Um gol maldito.

A maioria dos jogadores e torcedores não consegue esconder o constrangimento. Os locutores esportivos anunciam o feito sem nenhum entusiasmo. Um chega a dizer: “Que vergonha...”. Está criada uma discussão que, com frequência, acontece no mundo das empresas, dos negócios e das carreiras, onde há metas (gols) a ser atingidas e onde parece que vale tudo para sua conclusão. Será? Vejamos.

Aquele jogador não desobedeceu nenhuma regra e trouxe benefícios para seu time. Ele recebeu a bola de forma legal, dentro do campo, no tempo regulamentar e fez o gol. A regra é clara.

O problema é que o jogo não é regido só por regras, mas também por valores. As regras dizem o que podemos ou não fazer. Os valores dizem o que devemos ou não fazer. O falso jogador machucado pode ter feito o gol, mas não deveria tê-lo feito. Ao simular contusão, onde ficaram a ética e o fair play, tão importantes para que continuemos a amar o futebol?

Partindo da metáfora futebolística e inspirado nas leis da robótica de Asimov, ouso propor três leis para empresas e carreiras longevas. Primeira: o funcionário deve respeitar os valores da empresa.

Segunda: o funcionário deve obedecer as regras, desde que isso não contrarie a primeira lei. Terceira: o funcionário deve dar lucro à empresa, desde que isso não contrarie a segunda e a primeira lei. Senão... gol contra!

17mar/150

10 praticas de lideranca que voce deve abandonar hoje

papo_lideranca1

É indiscutível que muito mudou nas práticas de liderança nos últimos anos. Felizmente, o hábito de mandar e de controlar está dando espaço para um estilo mais colaborativo, que mostra aos profissionais o sentido daquilo que eles fazem.

Entretanto, ainda há bastante para evoluir. Pequenas atitudes do dia a dia da liderança mantêm a gestão com um pé no passado. O colunista da "Inc." Paul Spiegelman, fundador e CEO da BerylHealth, empresa que faz gestão de comunicação entre hospitais e pacientes, listou dez práticasque você deve abandonar na gestão de pessoas – e dez que você pode adotar no lugar. Confira.

1. Abandone: a microgestão ou a necessidade de controlar cada pequeno aspecto da sua empresa. Adote: o empoderamento, a habilidade de dar às pessoas autonomia, mesmo que elas cometam alguns erros.

2. Abandone: a gestão ao andar pelo escritório; ela não é mais o suficiente para que você seja visível. Adote: a gestão ao observar e ouvir, criando conversas e implementando as ideias que os colaboradores apresentam – e, claro, distribuindo os resultados.

3. Abandone: o hábito de fingir que você sabe tudo – é claro que você não tem todas as respostas. Adote: o conhecimento sobre os membros do seu time e a confiança neles. Escolha as pessoas que têm as competências certas e compartilham da cultura da sua empresa.

4. Abandone: a política de tolerância zero com erros. Adote: o aprendizado com os erros – ou mesmo o hábito de ser o primeiro a admitir um erro.

5. Abandone: a condução do negócio pelo lucro. Adote: a condução do negócio pelas pessoas, aumentando a fidelidade do cliente e os lucros.

6. Abandone: a escolha de pessoas que sobrevivem na empresa porque fazem o que é necessário. Adote: a escolha de pessoas que vão além. Elas existem.

7. Abandone: o investimento em tecnologia para aumentar a produtividade. Adote: o investimento nas pessoas.

8. Abandone: a exigência de mudanças, do jeito que você quer e quando você quer. Adote: o fomento de mudanças, de modo que a equipe possa desenvolver as melhores ideias para chegar lá.

9. Abandone: comida pouco saudável no restaurante da empresa. Adote: bem-estar no ambiente de trabalho.

10. Abandone: incentivos com dinheiro. Adote: recompensas. A valorização significa mais do que o dinheiro para o professional.

 

Fonte : http://revistapegn.globo.com/Dia-a-dia/noticia/2015/02/10-praticas-de-lideranca-que-voce-deve-abandonar-hoje.html